De que está à procura ?

luxemburgo
Lisboa
Porto
Luxemburgo, Luxemburgo
Colunistas

Lá no horizonte

Quando cai a noite para lá do horizonte
Vejo a poesia de cabelo revolto e riso na fronte.
Seus ares sedutores sacudiam a imensidão
e o sol brilhava mais com a chegada da poesia.

Trazia no peito rosas e sangue latejante
e um coro de poetas iluminou a terra num instante
freneticamente o poeta se levanta e fala à nação.
acorda todas as poetisas com voz de liberdade.

E erguendo o braço derrete-se um grilhão
e enchendo os pulmões de ar e de paixões
o poeta sai correndo para abraçar a poesia,
mas ela parece fugir-lhe para a eternidade.

E o poeta chora lágrimas incandescentes
e vomita vulcões em erupção e já extintos.
E procura dia e noite a poesia
e vai encontra-la na boca louca do filósofo.

depois a encontra na sensibilidade de um artista,
e mais tarde a encontra no riso e na dor.
Finalmente, o poeta se humilha, e ao entardecer
De sua vida, a beija num leito agonizante.

E então entende pouco antes de morrer
Que a poesia afinal está em toda a parte.

José Valgode

 

Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.