De que está à procura ?

luxemburgo
Lisboa
Porto
Luxemburgo, Luxemburgo
Comunidades

Cidade geminada com Viseu homenageia portugueses da Primeira Guerra

A cidade francesa de Marly-le-Roi, nos arredores de Paris, vai ser palco, a 23 de março, de uma conferência sobre a participação portuguesa na I Guerra Mundial, animada pelo historiador Manuel do Nascimento.

“Em fevereiro foi o centenário da chegada dos portugueses a Brest, mas esta história da participação portuguesa na guerra ainda é muito marginal. Em geral, os franceses não conhecem, mas noto que quando falo nisso, ficam interessados porque desconheciam”, disse à Lusa Manuel do Nascimento.

O historiador autodidata afirmou, ainda, que vai “explicar porque Portugal entrou na guerra, o que aconteceu nas trincheiras, o difícil regresso a Portugal de alguns soldados e o que resultou da participação de Portugal na guerra”.

O evento, que vai decorrer na Salle de l’Horloge, é organizado pela Câmara Municipal de Marly-le-Roi e pela associação “Les Amis du Jumelage” que é responsável pelo intercâmbio cultural com Viseu, a cidade geminada com Marly-le-Roi e de onde é oriundo Manuel do Nascimento.

“A participação portuguesa na Grande Guerra é algo pouco conhecido. Em França, estamos em plena comemoração do centenário da Primeira Guerra e tudo o que tem a ver com este tema interessa-nos muito. Além disso, este ano é o centenário da entrada em guerra de Portugal [na Frente Ocidental]”, justificou à Lusa Jean-Didier Clemençon, vice-presidente da associação “Les Amis du Jumelage”.

O responsável acrescentou que em Marly-le-Roi há uma “forte presença portuguesa” oriunda das regiões de Viseu e de Braga.

Manuel do Nascimento é um historiador autodidata que publicou, em Portugal e em França, oito obras sobre a História de Portugal, incluindo sobre a Grande Guerra, como “A Batalha de La Lys” e “Primeira Guerra Mundial: Os soldados portugueses das trincheiras da Flandres e a mão-de-obra portuguesa a pedido do Estado francês”.

A 02 de fevereiro deste ano celebrou-se o centenário do desembarque da primeira brigada do Corpo Expedicionário Português no porto francês de Brest para participar na I Guerra Mundial, ao lado dos aliados.

Este ano, a França e a Bélgica apresentaram uma candidatura conjunta a Património Mundial da UNESCO de mais de uma centena de “locais funerários e memoriais da I Guerra Mundial (Frente Ocidental)”, em que se inclui o cemitério militar português de Richebourg L’Avoué, no norte de França, com 1.831 campas de soldados portugueses.