De que está à procura ?

luxemburgo
Lisboa
Porto
Luxemburgo, Luxemburgo
Colunistas

Twitter e Facebook: os árbitros da verdade?

As oligarquias, contam, cada vez mais, com o apoio de uma política globalista (centralização de todos os poderes), ao mostrarem-se muito preocupadas com as notícias falsas (Fake News) nas redes sociais porque podem levar as massas ao descontrolo total.

O Twitter ao considerar-se juiz da verdade, também no caso de algumas comunicações infelizes do presidente dos USA (Trump), aproveita-se da insatisfação popular em relação ao cujo dito, numa tentativa de se impor como árbitro da verdade.

O que está aqui em jogo é a regulação das redes sociais no sentido de alguns empresários mundiais; donos de redes sociais, quererem legitimar o direito à censura e para tal chamarem a si o privilégio de determinar o que o utilizador pode ou não saber (o que é verdadeiro e o que é falso), roubando ao cidadão e à justiça (em casos de abuso) a responsabilidade do discernimento que só a eles pertence.

A arrogância oligárquica na luta pelo monopólio da informação e de seu controlo universal torna-se cada vez mais abrangente! Saber é poder; daí a razão porque quem tem algum poder querer reservá-lo só para si.

Mark Zuckerberg, logo se apressou a declarar que o seu Facebook não deve ser um “árbitro da verdade”. Bom seria, só que falta a confiança atendendo ao que o próprio Facebook já se atreve a censurar.

Os que falam do perigo das notícias falsas que infelizmente também circulam na Internet omitem falar do outro perigo, certamente maior, que é o facto de uma pequena oligarquia mundial poder vir a determinar (através da censura) o que é verdadeiro e o que é falso; deste modo podem controlar, impedir e mesmo apagar as diferentes mundivisões para imporem a sua. Sob este pretexto pequenas oligarquias interligadas conquistam, de maneira velada, o direito de controlar e decidir o que no Facebook e noutros meios sociais deve ou não ser publicado. Este poder é tal e de tal modo anónimo que se torna praticamente impossível contestá-lo ou apelar para alguém! Uma tal centralização do poder de decidir é anti democrático e ameaça qualquer biótopo cultural.

Quem tem o controlo da informação tem todo o poder na mão pois pode determinar o pensar e a opinião das pessoas. (Já no prólogo do evangelho de S. João, este referindo-se a Deus dizia, “no princípio era o verbo, a palavra, a informação”)!

O verdadeiro perigo em que nos encontramos é certamente o daqueles que se tornam em donos da informação. Em nome do ótimo instalam o mal, passando por cima da sabedoria popular que diz que o ótimo é inimigo do bom! Muitos utentes do Facebook já começam a sentir que o poder controlador das redes sociais lhes impede de falar livremente sobre certos temas.

Tiram a responsabilidade de julgamento ao utilizador para cinicamente se armarem em juízes do que é bom e do que é mau e ainda em nome do bem das massas!

O discernimento cada vez se torna mais difícil não só devido a uma realidade cada vez mais complexa, mas também porque os adversários da democracia alegam que só querem proteger as massas democratas! Vai sendo tempo de se deixar de continuar a dormir na forma! Para isso é necessário fomentar a discussão controversa.

António da Cunha Duarte Justo

 

Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.