De que está à procura ?

Lifestyle

Quanto está disposto a investir no seu bem-estar?

© DR

O novo estudo do Center for Consumer Well-Being and Retail Innovation, da Católica Lisbon School of Business & Economics, mostra que mais de metade dos portugueses, cerca de 65,4%, estão dispostos a investir entre 10% e 50% do seu rendimento no seu bem-estar, um resultado superior quando comparado com os dados obtidos do mesmo estudo em novembro de 2021 (54%).

O estudo, que avaliou o bem-estar, hábitos de consumo e perceções dos portugueses sobre as lojas de retalho, em julho de 2022, demonstra que os portugueses estão cada vez mais dispostos a investir e a priorizar o seu bem-estar. Em novembro de 2021, 34,9% dos portugueses investia até 10% do seu rendimento no seu bem-estar e, em julho de 2022, apenas 25,4% reporta estar disposto a investir até 10% do seu rendimento.

No que diz respeito às dimensões da vida que mais contribuem para o bem-estar dos portugueses, 58,47% refere que a dimensão emocional é aquela que mais contribui para o seu bem-estar, seguida da dimensão financeira (12,55%). Em novembro de 2021, apenas 45,1% dos portugueses considerava a dimensão emocional como principal prioridade, seguida da dimensão física (21,2%), estando a dimensão financeira como terceira prioridade, com 8,8%. “A mudança de prioridade entre a dimensão física e a dimensão financeira pode tentar ser explicada pela data de realização do estudo, uma vez que atualmente há uma maior preocupação financeira associada aos elevados níveis de inflação que vivemos face ao anterior estudo de novembro de 2021 assim como uma menor preocupação com a pandemia da Covid-19”, explica Maria Estarreja, Diretora Executiva do Center for Consumer Well-being and Retail Innovation da CATÓLICA-LISBON.

No que diz respeito aos hábitos de consumo, o estudo mostra que metade dos consumidores (50,6%) considera os baixos preços como o motivo mais importante para escolher uma loja para fazer as suas compras, sendo que 8 em cada 10 considera como pelo menos o segundo fator mais importante. Destaca-se ainda a proximidade, a qualidade no atendimento, o sortido alargado e a facilidade de check-out e pagamento. No que toca à forma de realizar compras alimentares, 92,7% dos consumidores prefere em ambiente físico. Já nas compras não alimentares, 59,4% tem preferência por ambientes físicos, 33% por ambientes digitais, com entrega em casa, e 7,6% por ambientes digitais com entrega em ponto de recolha.

No que toca a características valorizadas numa loja de retalho, a atual conjuntura de inflação e maiores dificuldades financeiras tem um reflexo nas respostas dos portugueses, já que 23,4% valoriza a existência de promoções personalizadas, um aumento quando comparado com o estudo anterior (22,6%).

O estudo foi realizado em parceria com a Behavioral Insights Unit da CATÓLICA-LISBON e averiguou os níveis de bem-estar, hábitos de consumo e perceções sobre as lojas de retalho na sociedade portuguesa, entre junho e julho de 2022. Contou com uma amostra constituída por 1005 participantes, 514 do sexo feminino e 491 do sexo masculino, de idades compreendidas entre os 18 e os 73 anos.

TÓPICOS