De que está à procura ?

luxemburgo
Lisboa
Porto
Luxemburgo, Luxemburgo
Comunidades

Portugueses detidos por roubo ao exército suíço

Dois portugueses estão detidos na Suíça e um suspeito foi agora constituído arguido em Vila Nova de Paiva por diversos furtos naquele país, adiantou o Comando Territorial de Viseu da GNR, que também aprendeu variado material.

“Estão envolvidos três cidadãos portugueses. Dois estão detidos em prisão preventiva na Suíça e um terceiro que foi agora constituído arguido no âmbito destas diligências de buscas que fizemos”, anunciou o Relações Públicas do Comando Territorial de Viseu da GNR.

Adriano Resende acrescentou que os arguidos detidos na Suíça têm 23 e 29 anos, e que o cidadão constituído arguido em território português, no concelho de Vila Nova de Paiva, distrito de Viseu, tem 46 anos.

O tenente-coronel explicou aos jornalistas que nas buscas realizadas, no concelho de Vila Nova de Paiva, através do Núcleo de Investigação Criminal de Moimenta da Beira, foram apreendidas 14 bicicletas, seis armas espingardas, dois motociclos e diverso material de fardamento do exército suíço.

“As armas estavam enterradas num anexo, num terreno adjacente à casa dos progenitores de um dos arguidos detido na Suíça. Não conseguimos saber qual seria o seu destino [das armas], porque estavam enterradas e daí não termos a perceção de qual o destino que lhes seria dado”, contou o tenente-coronel.

Segundo explicou, “tudo leva a crer que as bicicletas eram furtadas na Suíça já com destino, para serem revendidas, em território português a quem, eventualmente, se predispusesse a comprar”.

“As bicicletas estavam guardadas nas residências dos progenitores dos arguidos detidos, também na residência deste sujeito agora constituído arguido e em algumas casas de conhecidos, familiares, a quem as bicicletas já teriam sido revendidas”, acrescentou.

Adriano Resende esclareceu que o crime consistia em “furtar material de garagens, residências e também de blocos de apartamentos, e o material furtado eram bicicletas”, apesar de a GNR também “elencar um conjunto de armas”.

Os factos, contou, remontam a novembro de 2016 e julho de 2019 e, em novembro de 2019, a GNR recebeu “um pedido de cooperação das autoridades suíças, via ministério público, no âmbito de uma investigação de furto qualificado em território suíço”.

Os factos foram remetidos ao Tribunal Judicial de Sátão, distrito de Viseu.