De que está à procura ?

luxemburgo
Lisboa
Porto
Luxemburgo, Luxemburgo
Colunistas

Poema ponto de vista

Antigamente, só os ricos tinham automóvel,

então objecto de luxo e de estimação.

Hoje, só alguns pobres não tem automóvel,

objecto útil, de desgrácia, e com interesse.

Antigamente, os fatos só quando velhos,

levavam remendos e fundilhos.

Hoje, já se compram novos com joelheiras

e rasgados, com remendos de cabedal.

Antigamente, as famílias prolíferas viviam felizes.

Hoje, só as pouco prolíferas ou mesmo estéreis

parecem felizes.

Antigamente, as criadas ofereciam-se

e ouviam as senhoras.

Hoje, as senhoras pedem criadas

e aceitam as exigências destas.

Antigamente, liam-se aos serões romances.

Hoje, adormece-se ao som dos anúncios da TV

Antigamente, reuniam-se as famílias

para trocarem ideias e comunicarem.

Hoje, reúnem-se as famílias,

para em silêncio ouvirem a TV

Antigamente, lamentávamos os primeiros cristãos

por viverem nas catacumbas de Roma.

Hoje, andamos de metropolitano,

e terroristas suicidas transformam-nos em sepulturas

e carruagens para a sucata.

Antigamente, os filhos-famílias andavam asseados.

Hoje, os filhos-famílias andam mal vestidos,

porcos, guedelhudos, e outros quase nus.

Antigamente, os pais eram respeitados,

Hoje, os pais calam-se e ouvem os filhos.

Antigamente, os pais eram obedecidos.

Hoje, a maioria dos pais são mandados.

Antigamente, haviam pais que batiam nos filhos

por estes jogarem a bola.

Hoje, há pais que batem nos filhos

por estes não jogarem a bola.

Antigamente, era o verbo que seduzia os homens,

Hoje, é a verba que seduz os homens.

Antigamente, os homens empobreciam com a política,

Hoje, os homens enriquecem com a política.

Antigamente, toda a gente se compenetrava nos seus deveres.

Hoje, ninguém quer compromissos, fala-se só em direitos.

Antigamente, os produtos impunham-se pela sua qualidade,

Hoje, a mídia e a publicidade impõe-nos os produtos.

Antigamente, pedia-se por favor isto e aquilo,

Hoje, exige-se este mundo e também o céu.

Antigamente, a pobreza era envergonhada.

Hoje, muita gentinha e a pobreza são desavergonhadas.