De que está à procura ?

Desporto

O terceiro lugar esteve tão perto, Isaac

© dr

O atleta português Isaac Nader falhou hoje escassos metros o bronze na prova de 1.500 metros dos Mundiais de atletismo de pista coberta, pelo que Portugal sai da Escócia com uma medalha, de Tiago Pereira no triplo salto.

Aquele que era a maior esperança lusa de medalha em Glasgow fez a volta toda em posição de pódio, contudo, sucumbiu nos metros finais, nos quais o ‘gigante’ neozelandês Geordie Beamish veio de trás e superou quatro rivais, impondo-se em 3.36,54 minutos, recorde pessoal.

O atleta da Oceânia bateu os norte-americanos Cole Hocker por 15 centésimos de segundo e Hobbs Kessler por 18, enquanto Nader, que esteve quase sempre nos lugares da frente, concluiu o seu desempenho em 3.36.97 minutos, a 43 centésimos do primeiro.

Gorado o pódio de Isaac Nader, que tinha sido 10.º em Belgrado2022, Portugal, que se apresentou desfalcado dos seus três melhores atletas – Pedro Pichardo, Patricia Mamona e Auriol Dongmo -, garantiu, ainda assim, a medalha de bronze no triplo salto, por Tiago Pereira, no sábado, com novo recorde pessoal fixado em 17,08 metros.

Na surpreendente final de 4×400 metros masculina, Portugal acabou por ser desclassificado, já depois de ter terminado em sexto e último. 

Ericsson Tavares, Ricardo dos Santos, João Coelho e Omar Elkhatib já tinham conseguido o inédito apuramento para a prova decisiva, com o seu segundo lugar na eliminatória a ser consubstanciado com um novo recorde nacional.

De manhã, este quarteto fez 3.06,57 minutos, pulverizando em quase seis segundos a marca de 3.12,54 conseguida em 2018 no Pombal por João e Ricardo juntamente com Mauro Pereira e Raidel Acea.

Salomé Afonso, que chegou a Glasgow com o 18.º melhor registo entre as participantes, disputou a final dos 1.500 metros, que concluiu na oitava posição, em 4.06,18, um recorde pessoal por mais de um segundo.

A estafeta feminina 4×400 metros de Portugal também conseguiu hoje um novo recorde nacional, agora fixado em 3.31,93 minutos, retirando mais de três segundos à anterior marca, que vigorava desde 2018: ainda assim, o quinto e último lugar da segunda eliminatória não lhes permitiu passar as eliminatórias. 

Portugal apresentou-se em Glasgow sem as suas três principais figuras da seleção, com destaque para o campeão olímpico do triplo salto, ‘vice’ mundial em pista coberta em Belgrado2022 e campeão europeu em 2021 e 2023, Pedro Pichardo, que ainda não competiu este ano.

De fora ficou ainda a prata olímpica Patrícia Mamona e ouro europeu em pista coberta em 2021, bem como Auriol Dongmo, campeã mundial há dois anos e europeia em 2021, ambas a recuperar de lesão.

TÓPICOS

Siga-nos e receba as notícias do BOM DIA