De que está à procura ?

luxemburgo
Lisboa
Porto
Luxemburgo, Luxemburgo
Colunistas

Madrugada de esperança

Nada sei da noite nem das paredes frias dos condenados. Nada sei das dores, ou das feridas abertas do desalento!

Apenas conheço o assombro da luz do dia que madrugou inteiro!

As mãos abertas ao tempo de esperança. Sei, também, da cor com que se escreve cravo, paz e fraternidade.

Sei de cor a semântica da palavra, liberdade!

 

Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.