De que está à procura ?

luxemburgo
Lisboa
Porto
Luxemburgo, Luxemburgo
Portugal

Já não precisa de parar na fronteira para se registar no Easytoll

As viaturas de matrícula estrangeira já podem aderir ao sistema de portagens ‘online’, anunciou esta quarta-feira o gabinete do ministro das Infraestruturas e da Habitação. Em comunicado, o ministério refere que “já é possível no portal de Portagens da IP, portugaltolls.com, aderir ao sistema Easytoll, que permite aos condutores de viaturas de matrícula estrangeira que circulem em autoestradas portuguesas utilizarem os sistemas de cobrança de portagem exclusivamente eletrónicos, vulgo pórticos”.

Esta solução, elaborada pela Infraestruturas de Portugal, simplifica “o serviço prestado aos visitantes, por via terrestre, do país, ao permitir que a adesão ao Easytoll possa ser feita ‘online’, inclusive através de dispositivos móveis”.

O novo serviço, que contará com “divulgação internacional através do Turismo de Portugal”, tem como objetivo “uma maior eficácia na cobrança das portagens. Há muito que se procura uma melhor solução para a problemática das portagens para as viaturas de matrícula estrangeira, uma vez que o atual sistema de pagamento de portagens sofre de constrangimentos que afetam não só a eficácia na cobrança de portagens, como também a imagem do país junto dos que nos visitam. Trata-se de uma medida importante, que promove uma melhor experiência em Portugal”, afirma a secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, citado em comunicado.

Por sua vez, o secretário de Estado das Infraestruturas, Jorge Delgado, salienta que “colocar as novas tecnologias e o novo mundo digital ao serviço das pessoas é um objetivo constante da Infraestruturas de Portugal na busca de cada vez melhores infraestruturas e de melhor qualidade dos serviços prestados”.

A partir de agora, o condutor já não precisa de se deslocar a uma praça de adesão num momento prévio à sua circulação na autoestrada.

A subscrição do serviço já pode ser feita ‘online’ em portugaltolls.com e é válida por 30 dias”, refere o ministério.