De que está à procura ?

luxemburgo
Lisboa
Porto
Luxemburgo, Luxemburgo
Lifestyle

Festival de cinema português no Luxemburgo foi “bem bom”

O festival começou com “Bem Bom” o filme de homenagem à primeira “girls band” portuguesa, as Doce. Esta a primeira de seis longas metragens e quatro curtas que constituiram o Festival de Cinema Português do Luxemburgo na sua edição 2021.

O festival terminou esta sexta com a presença de Carlos Alberto Carrilho (na foto acima), cineasta, crítico e académico que está a terminar uma tese sobre o desconhecido cinema erótico filmado em Portugal antes da revolução de Abril. Carrilho apresentou a sua curta metragem “A mulher que viveu três vezes”, filme inspirado numa das atrizes desses filmes que é uma “ilustre desconhecida”.

O filme de Carlos Carrilho fez parte da sessão de encerramento dedicada ao festival de cinema de terror português, MotelX. A organização deste festival luso trouxe até ao Luxemburgo quatro curtas metragens que passaram pelos ecrãs do evento lisboeta: “A terra do não retorno” de Patrick Mendes, “Sink away” de Felix Cognard, “A mulher que viveu três vezes” de Carlos Alberto Carrilho e “O lobo solitário” de Filipe Melo.

O festival contou no sábado passado com a obra de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, “Diamantino“; o “tal filme que não é sobre Cristiano Ronaldo”… mas que podia ser. A história estranha de um jogador de futebol com falta de inspiração que se envolve com um partido político extremista faz lembrar CR7, mas também critica, em geral, o mundo das vedetas do futebol, e não só.

O domingo foi muito mais sério com o documentário sobre Eduardo Lourenço e inspirado na sua obra homónima “O Labirinto da Saudade“. “Mar” de Margarida Gil, com Maria de Medeiros no principal papel é a proposta para segunda-feira, 15 de novembro. Um filme inspirador, reflexivo, sobre uma mulher na casa dos 50 anos que decide embarcar num veleiro enquanto questiona a sua vida.

Seguiu-se uma sessão especial promovida pelo BOM DIA com “Alis Ubbo”, um divertido, mas muito sério, documentário sobre a Lisboa dos nossos dias. A obra de Paulo Abreu segue João, um condutor de tuk-tuk que nos vais mostrando a Lisboa dos turistas e a Lisboa de sempre.

#portugalpositivo