De que está à procura ?

luxemburgo
Lisboa
Porto
Luxemburgo, Luxemburgo
Europa

Covid na Alemanha: 16 mil mortes desde o início da pandemia

A Alemanha superou as 16 mil mortes por covid-19 desde o início da pandemia, embora se tenha observado uma tendência de desaceleração relativamente a novas infeções, de acordo com dados hoje atualizados pelo Instituto Robert Koch (RKI).

Segundo a informação disponível, a Alemanha registou 14.611 casos de covid-19 nas últimas 24 horas e 158 vítimas mortais.

No domingo da semana passada, o número de novas infeções foi de 15.724 casos e 138 mortos, segundo o RKI.

Desde o início da pandemia registaram-se 1.042.700 casos – dos quais 722.300 correspondem a pacientes recuperados – e 16.123 são vítimas mortais.

De acordo com a informação, durante os fins de semana, as verificações são sempre mais baixas uma vez que nem todos os departamentos atualizam os seus dados, mas parece confirmar-se uma tendência de desaceleração no que diz respeito a novas infeções.

O máximo absoluto em um dia na Alemanha, desde o início da pandemia, registou-se dia 20 de novembro, com 23.648 novos casos.

O máximo diário de mortes foi atingido na quarta-feira, dia 25, com 410 vítimas.

A incidência cumulativa por sete dias entre 100.000 habitantes tem também vindo a descer, embora lentamente: no sábado situava-se nas 135,7 infeções, face aos 136 contágios e 137,8, respetivamente, dos dois dias anteriores.

Esse é o indicador determinante, segundo os critérios do RKI, para classificar uma região ou zona como de risco, que ocorre a partir de 50 casos por 100.000 habitantes em sete dias.

Em Berlim, esse nível de incidência semanal apresenta-se numa média de 177 casos (no sábado eram 190), com alguns bairros a apresentarem uma incidência acumulada de 229 casos.

Este dado tem levado o governo regional da capital e da cidade-estado a decidir que as restrições em vigor durante as festas de Natal não serão relaxadas, como em grande parte do país.

A chanceler Angela Merkel e líderes regionais concordaram, na última quarta-feira, em estender as medidas atuais até ao final de janeiro, inicialmente previstas apenas para novembro.

Isto significa que os bares e restaurantes continuarão encerrados, assim como ginásios, museus, cinemas ou salas de espetáculos.