De que está à procura ?

Luxemburgo

Associativismo português festeja 26 anos em Walferdange

© DR

A Associação Portuguesa de Walferdange (APW), no Luxemburgo, festejou os 26 anos de vida associativa “a ajudar os mais desfavorecidos”, no sábado, com um jantar e baile para cerca de 100 sócios no auditório Prince Henri, em Walferdange.

A presidente da associação, Fernanda Figueiredo, afirmou ao BOM DIA que esperava “contar com mais pessoas na festa”, mas mostrou-se “muito satisfeita pela adesão dos sócios e amigos e pelo sucesso da festa, só possível pelo trabalho infatigável dos voluntários”.

A APW tem “um registo significativo de apoio e ajuda aos mais desfavorecidos, ao mesmo tempo ajudando a promover a cultura e a língua, o acesso ao desporto e à união das comunidades de portugueses na região”, disse ao nosso jornal Arnaldo Marques, ex-tesoureiro da associação.

No entanto, o antigo responsável recorda que a associação atravessa, desde 2001, uma crise assente no “envelhecimento da massa associativa” e no afastamento de muitos dos “mais antigos que faziam as coisas funcionar, e que estão agora a reformar-se”, tal como no seu caso: “eu saí para descansar, mas se for preciso volto para ajudar”, vincou.

Já o ativista social e voluntário António Valente alertou que “quando é preciso [ajudar] estamos cá, todos a lutar para poder assistir a quem precisa, mas precisamos que os jovens sejam mais participativos”.

Fernanda Figueiredo, a nova presidente, “recusa-se a baixar as mãos e a deixar o projeto desaparecer”. Depois de “dois anos sem eventos de angariação de fundos”, em que muitos “sócios se afastaram ou deixaram de pagar as quotas”, agora espera “recuperar a atividade normal de angariação de fundos”.

Tudo começou na década de noventa, quando “o acesso das crianças portuguesas a classes de língua portuguesa era muito limitado e era necessário encontrar salas para as aulas”, o que foi discutido pelos amigos Arlindo Rodrigues e João Teixeira, a quem se juntaram Ernesto Lopes e o jornalista Raúl Reis, entre outros beneméritos. Foi o primeiro passo para a primeira reunião em que se formou a associação sem fins lucrativos APW, que conta com o apoio até hoje da Câmara de Walferdange.

A sombra e influência de Arlindo Rodrigues, falecido em 2020, está ainda bem viva nas memórias dos cerca de 1.000 associados e da sua filha, Sylvie Rodrigues, eleita secretária para a nova direção em março de 2022, pois faz questão de “manter seu legado e ajudar a associação”.

Segundo declarações de Ana Maria, a ex-esposa do falecido líder, tudo foi feito “para levar ajuda a quem precisa”. “Tudo passa e a vida muda, mas as memórias das boas ações ficam para sempre”, finalizou.

#portugalpositivo

TÓPICOS