De que está à procura ?

luxemburgo
Lisboa
Porto
Luxemburgo, Luxemburgo
Colunistas

Voto de pesar do grupo parlamentar do PS pelo falecimento de José Batista de Matos

Como forma de homenagear e honrar a memória de José Batista de Matos, o Grupo Parlamentar do PS apresentou um voto de pesar, de que sou o primeiro subscritor. Refiro também que tive a oportunidade de exprimir as minhas condolências à família e amigos de Batista de Matos através da sua filha, Ascensão Batista de Matos, com quem estive no velório de seu pai no passado dia 3, na Igreja Matriz da Batalha.

José Batista de Matos, o rosto da emigração portuguesa no Museu Nacional da História da Emigração em Paris, uma das grandes referências da comunidade em França, faleceu no passado dia 1 de julho, na Batalha, com 84 anos, causando grande consternação entre todos aqueles que o conheciam.

Chegou a Paris em 1963 e conheceu a vida dura no bidonville de Champigny, tal como muitos milhares de compatriotas, o que só acentuou o seu impulso para o envolvimento cívico e a luta por condições de vida dignas para todos.

Foi encarregado-geral do Metro de Paris e ativista pelos direitos dos trabalhadores. Foi dirigente associativo, tendo fundado a Associação Portuguesa de Fontenay-sous-Bois, onde viveu grande parte da sua vida e que no passado dia 2 de junho lhe concedeu a Medalha da Cidade. Foi aí que levou a que se erguesse o primeiro monumento ao 25 de abril de 1974 fora de Portugal, por onde muitas personalidades da vida pública portuguesa passaram.

Foi membro do Conselho das Comunidades Portuguesas e escreveu dois livros que refletem o sentido da sua vida: História, cultura e tradições das Alcanadas e Uma vida de militância cívica e cultural. Foi também o impulsionador da geminação entre Fontenay-sous-Bois e a Marinha Grande.

Batista de Matos era um defensor acérrimo da liberdade e da democracia e um lutador inconformado contra as desigualdades, como demonstram as suas tomadas de posição e a forma como se envolveu no Maio de 68, com o idealismo de quem quer mudar o mundo. Era um homem de causas e bem conhecido pela sua generosidade e sentido de humanidade.

Em 2012 recebeu do Estado português a Comenda da Ordem Nacional de Mérito. Repartia agora o seu tempo entre Paris e Alcanadas, terra onde nasceu, no município da Batalha e onde agora faleceu.

Assim, a Assembleia da República, reunida em plenário, reconhece o mérito e as qualidades cívicas e humanas deste cidadão português que residiu grande parte da sua vida em França, e expressa à família e amigos de José Batista de Matos as suas mais sentidas condolências.