De que está à procura ?

luxemburgo
Lisboa
Porto
Luxemburgo, Luxemburgo
Opinião

Urge fomentar o regionalismo

A Assembleia da República, aprovou, por unanimidade a candidatura de Portugal à sede da Agência Europeia do Medicamento (EMA) para Lisboa, que por razões do Brexit terá de passar para a EU.  Foi pena os deputados dos partidos não terem optado pelo Porto ou por Coimbra.

É também lamentável, o facto de os partidos depois de terem votado por Lisboa virem para a rua contradizer-se, defendendo outras opções. Depois de parido o voto no parlamento (em Maio), vêm agora cá para fora retalhar o parto, com o apoio dos meios de comunicação social (famintos de barulheira emocional entre um povo a distrair). Porque não houve a discussão antes da decisão no parlamento? Democracia à portuguesa republicana?

Torna-se difícil de compreender que em Portugal todas as instituições relevantes portuguesas se encontrem em Lisboa. Os tribunais administrativos, do trabalho e outras instituições deveriam ver as suas sedes distribuídas por outras cidades portuguesas. Em questões de regionalização somos um país subdesenvolvido com um centralismo favorecedor da solidariedade na corrupção.

Na Alemanha pratica-se a solidariedade equitativa entre as regiões, tanto a nível de redistribuição de riqueza, de instituições como de tarefas. Deste modo mantém-se um certo equilíbrio entre as regiões. Pratica-se mais a democracia política, institucional e administrativa. Por isso, a Alemanha é um país rico com relativo equilíbrio em relação a outros países europeus (vejam-se os transferes financeiros das regiões mais fortes para as menos fortes).

Portugal, com o seu centralismo obsoleto em Lisboa continuou na República o que o espírito monárquico tem de criticável. A sociedade portuguesa, com os seus representantes, contenta o seu narcisismo em alfacinhas com brilho artificial! O mesmo se diga no centralismo do MEC com um comportamento de patrão absoluto que mantém o professorado e as escolas atrelados ao jugo de Lisboa.

Por vezes tem-se a impressão que os nossos ministérios se tornam albergues de aldeões antigos envergonhados, mas bem engravatados, que compensam uma certa pequenez numa Lisboa megalómana! Atendendo à necessidade de democratizar na Europa as concentrações económicas e à megalomania provinciana concentrada em Lisboa, seria de recomendar a transferência da sede da EMA da Inglaterra para Portugal e possivelmente para o Porto ou para Coimbra!