De que está à procura ?

luxemburgo
Lisboa
Porto
Luxemburgo, Luxemburgo
Portugal

“Franceses” gastaram mais de 500 milhões de euros em agosto

Os turistas e portugueses residentes em França são tradicionalmente os turistas com os gastos mais elevados em Portugal nos meses de agosto e são mesmo os únicos a ultrapassarem os 500 milhões de euros, o que acontece desde 2016.

Dados do Banco de Portugal indicam que este agosto os turistas residentes em França, onde se incluem, também, emigrantes portugueses, despenderam em Portugal 584,02 milhões, que passa a ser um novo recorde de gastos num mês de um mercado emissor.

Os dados mostram também que com esse montante representa um aumento em 6,5% ou 35,77 milhões de euros relativamente a agosto de 2017, embora, de acordo com dados do INE, em Agosto tenha havido na hotelaria portuguesa um decréscimo de hóspedes residentes em França em 5,5% ou 10,5 mil, com um decréscimo ainda maior das suas dormidas, que baixaram 8,1% ou 50,6 mil.

A informação permite ver que os gastos dos franceses equivaleram este agosto a 26,6% do total de gastos de residentes no estrangeiro, uma participação inferior em 0,8 pontos ao verificado em agosto de 2017, em que os gastos de turistas franceses em Portugal elevaram-se a 548,25 milhões de euros.

Os residentes em França têm sido sistematicamente os turistas que mais despendem em Portugal no mês de agosto, embora estejam longe de serem o primeiro emissor para a hotelaria.

Portugal teve pela primeira vez os turistas de um único mercado emissor a ultrapassar os 300 milhões de euros de gastos no país em agosto de 2008, com 308,27 milhões dos residentes em França.

Seguiram-se 313,27 milhões em agosto de 2009, 352,16 milhões em agosto de 2010, 376,41 milhões em agosto e 2011 e em agosto de 2012 Portugal teve pela primeira vez um mercado com gastos superiores a 400 milhões de euros num mês, com 407,66 milhões por parte dos residentes em França.

Em agosto de 2013 os gastos dos franceses subiram para 419,33 milhões, no mês homólogo de 2014 avançara, para 468,01 milhões e em agosto de 2015 ficaram à beira dos 500 milhões, com 492,83 milhões.

O seu ‘peso’ nas receita turísticas portuguesas, porém, baixa desde agosto de 2012, mês em que atingiu os 32%, tendo caído para menos de 30% em 2016, com 29,8%, a que se seguiram 27,4% em agosto de 2017 e 26,6% em agosto deste ano.

Mas sem deixar de manter a distância em relação ao primeiro emissor em dormidas na hotelaria, o Reino Unido, cujos residentes despenderam em Portugal este agosto 323,51 milhões de euros, o que é um recorde mensal para o mercado mas fica 260,51 milhões abaixo do gasto dos residentes em França, embora segundo os dados do INE, a hotelaria portuguesa tenha alojado mais 11.375 residentes no Reino Unido que residentes em França e aqueles tenham realizado mais 433,3 mil dormidas do que estes.

De facto, embora os residentes no Reino Unido sejam o maior emissor para a hotelaria portuguesa e tenham sido os turistas com gastos mais elevados em Portugal, quando se trata do mês de agosto o emissor líder destacado é França.

Em 2008, primeiro ano em que o gastos dos residentes em França ultrapassou os 300 milhões de euros, com 308,27 milhões ficaram 129,67 milhões acima dos gastos dos britânicos (178,60 milhões), margem que ultrapassou os 200 milhões pela primeira vez em agosto de 2012, atingindo 216,17 milhões.

Este ano, em que os gastos dos residentes no Reino Unido em Portugal ultrapassaram pela primeira vez os 300 milhões de euros, os gastos dos residentes em França foram superiores em 260,51 milhões, a maior diferença de sempre.