De que está à procura ?

luxemburgo
Lisboa
Porto
Luxemburgo, Luxemburgo
Comunidades

Escola de português nas Bermudas procura acreditação junto do instituto Camões

Uma escola que ensina português nas Bermudas, inserida num clube de futebol com origem portuguesa, procura acreditação e acompanhamento junto do instituto Camões para poder aumentar níveis de escolaridade e fornecer certificados aos alunos.

“A certificação que queremos neste momento, e que estamos a lutar para que aconteça, é que a escola portuguesa seja reconhecida dentro do ciclo do instituto Camões”, disse à Lusa o presidente do Clube Vasco da Gama, Hugo Pereira.

A escola de português faz parte do projeto do clube e leciona, até ao momento, 36 alunos com idades compreendidas entre os seis e os 12 anos até ao quinto ano de escolaridade.

A professora, portuguesa e licenciada em Portugal, ensina aos alunos a língua a partir de manuais escolares portugueses que têm algum conteúdo histórico sobre o país.

Hugo Pereira explicou que um dos objetivos do pedido é ter condições para “aumentar o ano de escolaridade” e poder dar aos alunos um certificado que tenha validade fora das Bermudas, incluindo em Portugal.

“Se os jovens quiserem prosseguir os estudos, a avaliação terá alguma credibilidade que neste momento não tem”, clarificou o dirigente do clube.

O clube pretende também que a escola possa começar a lecionar português a adultos, uma vez que há portugueses que casam com locais e esquecem a língua portuguesa e há até oriundos das Bermudas sem raízes portuguesas que querem aprender a língua.

“[Nós] estamos a tentar que, no início do próximo ano, janeiro, fevereiro, comecemos a ter aulas de português para adultos”, adiantou Hugo Pereira.

O responsável do clube referiu ainda que o “mais importante é dar continuidade à língua portuguesa” nas Bermudas.

Hugo Pereira indicou que, no momento e após ter sido feito o pedido ao instituto Camões, se encontra à espera de resposta e de eventuais reuniões para discutir os termos da acreditação.

“[Nós] demos início às conversações este ano, em abril, maio, mais ou menos”, apontou o presidente do clube, esclarecendo que “o processo está em andamento” mas que “não é fácil, não é de uma hora para a outra”.

Contactado pela Lusa, o Camões – Instituto da Cooperação e da Língua indicou que “o processo está em curso” e a ser tratado pela Coordenação de Ensino do Reino Unido, juntamente com o presidente do Clube Vasco da Gama e com o presidente da Associação Cultural Portuguesa.

A escola de português do Clube Vasco da Gama teve início nos anos 1980 quando os emigrantes portugueses, por não terem garantias de vida na ilha e terem de regressar, quererem aprender ou dar continuidade à aprendizagem da língua portuguesa.

“[Nós] decidimos criar esse pé, essa raiz da língua portuguesa, para dar a oportunidade às crianças de que, quando tivessem de regressar com os seus pais à sua terra natal [Portugal], já terem algum feedback” relativamente ao português.

Ao referir-se ao orçamento e às condições da escola, o dirigente do clube lamentou a postura do Governo central português afirmando que são, por vezes, “esquecidos pelas entidades governamentais”.

“Os políticos esquecem-se de nós, que estamos cá fora e que um dia, mais cedo ou mais tarde, uma grande percentagem regressa ao seu país [Portugal]”, sublinhou Hugo Pereira.

O presidente do clube indicou que 25% da população das Bermudas tem origem portuguesa, dos quais 90% são açorianos.

O Clube Vasco da Gama é um clube de futebol das Bermudas com origem portuguesa e “um ponto de encontro” para a comunidade portuguesa em Hamilton, a capital do arquipélago.