De que está à procura ?

luxemburgo
Lisboa
Porto
Luxemburgo, Luxemburgo
Portugal

Empresários de Viana do Castelo oferecem 3.500 árvores para reflorestação

A ADN – Associação Aliança de Negócios anunciou a oferta, à Câmara de Viana do Castelo, de 3.500 árvores para reflorestar uma área de sete hectares, na freguesia de Carvoeiro, afetada pelos incêndios florestais.

Em comunicado, aquela associação adiantou tratar-se da iniciativa “Reflorestar com ADN”, que, em parceira com a Câmara de Viana do Castelo, vai incluir, no sábado, de manhã, “um momento simbólico em que serão plantadas as primeiras árvores”, sem especificar quantas.

A plantação das restantes árvores “está prevista para o Dia Mundial da Árvore com a colaboração dos alunos as escolas do concelho, numa atividade de educação ambiental”.

Segundo avançou hoje a ADN, “a Associação de Promoção ao Investimento Florestal (APIF) considerou que 2016 foi mais um ano zero no combate à desflorestação, em Portugal, onde as chamas consumiram o equivalente a mais do triplo da área ardida, em Espanha”.

Para a APIF, adiantou a associação de empresários, “2016 foi mais um ano de depreciação do território e de delapidação dos recursos naturais”.

“A APIF refere que, no grupo dos cinco estados membros do sul da União Europeia, Portugal, que ocupa 6% da área total, registou 56% da área ardida e 48% dos incêndios florestais”, adiantou a ADN.

Segundo aquela associação de empresários, “a base de dados nacional de incêndios florestais regista, no período compreendido entre 01 de janeiro e 15 de outubro de 2016, um total de 13.079 ocorrências (2. 677 incêndios florestais e 10.402 fogachos) que resultaram em 160.490 hectares (ha) de área ardida, entre povoamentos (85.785 ha) e matos (74.705 ha)”.

“Comparando os valores do ano de 2016 com o histórico dos últimos 10 anos destaca-se que ardeu mais do dobro da média da área ardida nesse período. O ano de 2016 apresenta, desde 2006 (até ao dia 15 de outubro de 2016), o valor mais elevado de área ardida”, lê-se na nota hoje enviada.

A ADN apontou ainda “dados do relatório provisório de incêndios florestais, até 15 de outubro de 2016, segundo os quais, depois do distrito de Aveiro, Viana do Castelo foi o distrito com maior área ardida a nível nacional (um total de 32.501 ha), o que representa cerca de 20% do total território devastado pelas chamas”.