De que está à procura ?

luxemburgo
Lisboa
Porto
Luxemburgo, Luxemburgo
Europa

Centro da Europa prepara-se para vaga de frio siberiano

© Alessandro Di Meo - EPA

Avisos de queda brusca e acentuada de temperatura, de até 10 graus negativos, estão a ser emitidos em Itália. Os alertas devem-se a uma vaga de frio siberiano tardia que vai afetar o centro da Europa nos próximos três dias.

O fenómeno de frio glaciar até tem nome: “Moscovo-Paris”, em França, e “Besta do Leste” (beast from the east), na Grã-Bretanha. Terça e quarta-feira deverão ser os dias mais frios.

Itália, onde nevou em Roma e em Nápoles, ordenou o encerramento de escolas e de várias estradas no centro e no sul, cobertas de pelo menos 10 centímetros de neve.

A França refere que uma tal vaga de frio não se registava desde 2005.

Os serviços de meteorologia esperam temperaturas mínimas “glaciais”, entre os seis e os 10 graus Celsius negativos com sensações térmicas de até -18ºC, sobretudo devido ao vento nordeste, que poderá registar rajadas entre os 50 e os 70 quilómetros hora. No sul de Inglaterra as temperaturas mínimas deverão ser de -3ºC ou inferiores.

Em muitos locais do centro da Europa as temperaturas máximas não deverão ultrapassar os zero graus. Só junto ao Mediterrâneo os termómetros deverão registar no mínimo até quatro graus abaixo de zero. A norte dessa zona, as temperaturas serão normalmente negativas.

Na Grã-Bretanha e em França, os avisos de frio extremo alertam para a necessidade de proteger crianças de colo e idosos.

Os britânicos avisam para a possibilidade da queda de neve ter um forte impacto nas vias de transporte, tendo sido emitidos alertas amarelo e âmbar para todo país.

Em França foram abertos mil e 300 centros de acolhimento para sem-abrigo, numa tentativa de minimizar o impacto junto desta população. Em Estrasburgo, o centro de acolhimento de emergência está repleto já o dia todo, com quase 60 pessoas em simultâneo.

O frio já terá aliás feito vítimas mortais em França. Um sem-abrigo foi encontrado domingo sem vida sob o pórtico de uma igreja em Valence, nos Alpes, onde durante a noite os termómetros chegaram aos -3ºC. Sexta-feira foi encontrado o corpo de um homem de 62 anos que vivia numa cabana de madeira nos Yvelines.

Em França, a preocupação prende-se também com as consequências da vaga de frio sobre o fornecimento de eletricidade, a que a maioria dos lares recorre para aquecimento. O operador da rede, RTE, já garantiu que não haverá problemas. Espera picos de consumo de cerca de 93 mil megawat por hora (MW) na terça-feira à noite, bem abaixo do pico histórico registado en 2012, de 102, 098 MW.

“Apesar de temperaturas de nove a 10 graus Celsius abaixo da média nos próximos três dias, a RTE não está preocupada com a segurança da rede de energia em França”, disse o porta-voz da empresa. A RTE conta importar energia suplementar de Espanha, onde o frio será menos intenso, e da Alemanha, onde a produção vai ser impulsionada por vento forte.

Nos mercados britânicos, holandeses, belgas e franceses, os preços do gás estão a subir a pique, na perspetiva desta vaga de frio siberiano que deverá afetar o centro do continente nos próximos dias.

Não só algumas reservas nacionais de gás estão quase esgotadas, como o fornecimento de gás tem esbarrado com alguns problemas.

O maior campo de gás da Europa, em Groningen, Holanda, impôs novos limites à produção e a empresa britânica de distribuição de gás Centrica, encerrou Rough, o maior centro de armazenamento do país, com mais de 30 anos e que podia armazenar até 10% das reservas britânicas de gás.